Incio

Sobre Nós

Serviços |

Catalógo |

Tundavala On

Comunicação eficiente!


CIDADANIA

""

QUEM FOI DACK-DOY?


Quinta-feira, 27 de Julho de 2017
Por: Edson Kassanga



O gosto por leitura em muitos casos desenvolve o gosto pela escrita. É assim que utimantente tomei a decisão de escrever o que der, no mínimo um texto por semana, com objetivo, de solidificar; alterar; incrementar os meus conceitos, entre outros, já que tenho o privilégio de ver alguns publicados em pouquíssimos blogues da banda.

Uma vez que, o conhecimento não é absoluto e muito menos imutável. Mas nem sempre o que se programa à escrita flui feito o planejado, por vezes essa prazenteira necessidade em se expressar surge inesperadamente, existem vezes até inoportunamente.

Ora é isso que me está acontecendo agora. Estou a ler ' As Armas Já Cumpriram A Sua Missão- Subsídio Para A História Militar Angolana' de autoria de Mufinwa e eu previa escrever sobre o livro quando terminasse de o ler, tal como tem acontecido habitualmente. Mas li uma parte que não quer ficar de parte, ou seja, a ideia de continuar a ler o livro sem redigir algo sobre essas linhas arrebatadoras me incomoda. Elas suscitam em mim um sentimento docemente tão profundo, com pitadas de seriedade, graça e vergonha que urge a necessidade de aproveita-lo enquanto está fundo. Ademais, a expressão do que se sente é diferente da do que se sentiu ou melhor, há diferença em explicitar o que se sente no presente, do que exprimir no presente algo que ocorreu no passado. Por conseguinte, encostei o livro de lado e deixei-me envolver pelas deliciosas memórias da minha infância velha.

Efectivamente as portas da puberdade (1999), ingressei na Escola de Base do III Nível, 27 de Março, era o meu primeiro ano e o princípio das aulas. E como é da praxe as mesmas são essencialmente de apresentações, quer dos professores como dos alunos em que o nome e morada são sempre requeridas e referidas. Assim, nessas aulas quando chegada a minha vez eu dizia, além outras frases, que vivo no bairro Comandante Dack-Doy e os meus colegas reagiam olhando pra mim como se tivessem ouvido língua de outro mundo. O nome era lhes era tão esquisito que passaram a chamar-me pelo mesmo (Dack-Doy). Mas o quê que o livro tem haver com a bairro e que relação tem este com o nome?

Bem, pelo livro em leitura fiquei a saber quem foi esse meu chará e por que motivo atribuíram o nome dele ao meu bairro, assim como em tantos outros locais e até instituições.

Em Agosto de 1975 as SADF (Forças de Defesa Sul Africanas) depois de ocupar a província do Cunene, estavam as portas da cidade do Lubango ( a cerca de 17 km desta) quando tudo indicava o mesmo destino daquela província (Cunene), Dack-Doy, Comandante da Frente Sul na altura ' deixou o posto base na cidade e no seu Land-Rover foi pra Boa Viagem levando um canhão de B-10 (...), tentou travar o invasor e tombou deixando mulher e filhos, portando-se como um verdadeiro herói' conforme o livro e autor acima referidos precisamente na pág 54. Assim, julgo ser por este acto de façanha digno de ser eternizado que o seu nome, tal como de tantos outros filhos de Angola, foi atribuído depois da independência ao bairro onde nasci e vivi a melhor fase da minha vida: meninice.

Portanto a reação dos meus colegas foi devido a falta de informação, pois não sabiam que o nome Comandante Dack-Doy foi dado ao bairro, até hoje por muitos conhecido como, Santo António ( designação na era colonial) que deixou ser dando lugar aquele, depois da dipanda.

Decerto que este é apenas um de muitos casos, até certo modo vergonhosos, em que recomenda-se maior divulgação dos heróis nacionais, mais estudos sobre os mesmos, mas acima de tudo, maior interesse das novas gerações em saber sobre a história de Angola, pois, é por ela que se estuda o passado de forma a tirar lições do mesmo e evitar a repetição de erros.


Compartilhar:


A farsa do marido que flutua no Xixi

Quipungo mobiliza empresários

'Finanças Públicas' já nas bancas

Minha Essência de Josefina Vilar

Bootcamp Orange Corners Angola

Micro empresas falidas na Huíla

COLUNISTAS

Edson Kassanga

Amante de literatura. Tem como hobby a escrita de poesia e contos. Estudante frequenta o curso de Relações Internacionais no Instituto Superior de Relações Internacionais Ministro Venâncio de Moura/MIREX-Luanda.

Mucuta Mukhuta

Técnico de comunicação. Gosta de escrever reportagens, crónicas, poesias. Filmmaker e Fotógrafo de eventos sociais. Empreendedor e Estudante de economia (Marketing).

Fique atualizado. Colabore. Envie o seu conteúdo

Tundavala-AudioVisuais © 2018